Saiba como projetos de paisagismo beneficiam regiões em que a seca é recorrente

Autor: Camila Fonseca - Data: 05/10/2011

Gilmar Fernandes

Saber a importância de um projeto paisagístico e, principalmente, de irrigação para otimizar áreas que sofrem com a seca, é primordial para o profissional que atua no segmento. O Paisagista Gilmar Pio Fernandes, que trabalha em Brasília - região tão afetada pela falta de umidade - esclarece as premissas básicas das maiores necessidades dessa região e o que fazer para mudar esta realidade.


AuE Soluções: O que você considera essencial na elaboração de um projeto paisagístico?

Gilmar Fernandes: Um bom projeto paisagístico começa pelo levantamento de informações, tanto em relação aos usuários quanto em relação ao local onde será implantado o projeto. A identificação dos desejos, anseios e necessidades dos usuários é de fundamental importância, assim como, as características do local: topografia, clima, vegetação, dentre outros. Como conseqüência da análise dessas informações é possível apresentar uma proposta para apreciação do usuário que identifique problemas e apresente soluções atendendo às suas expectativas e, ao mesmo tempo, ambientalmente sustentável por incorporar as características naturais favoráveis e trabalhar as desfavoráveis levantadas no terreno.

AuE Soluções: Com o período de seca em Brasília, é preciso alterar sua forma de trabalho ou tomar algum cuidado especial ao desenvolver sua idéia?

Gilmar Fernandes: Brasília tem duas estações muito distintas: a estação chuvosa que vai de outubro a abril e a estação seca de maio a setembro. Na seca, a umidade relativa do ar, cai de um valor acima de 70% para 20%, podendo chegar a 13% no final deste período, como aconteceu neste ano onde a umidade caiu a 10% nos dias mais secos. Conhecer bem as características ambientais do local de implantação do projeto paisagístico é muito importante para o seu sucesso pois, a escolha das espécies deve recair sobre aquelas que possam ser adaptadas ao clima ou as que sejam resistentes. Plantas que demandem pouca água e que estejam acostumadas ao ciclo de seca e chuva, como as espécies do bioma do cerrado, constituem-se como boa opção, além de ser ecologicamente correta.

AuE Soluções: Qual a importância de um projeto de irrigação, principalmente nas regiões onde enfrentam forte seca no período de inverno?

Gilmar Fernandes: Nesse período de seca o desenvolvimento de muitas plantas fica prejudicado podendo até morrer, caso não haja um fornecimento adequado de água. A manutenção dos jardins com a irrigação bem planejada, portanto, é fundamental para contornar essa situação com o fornecimento de água em quantidades suficientes e locais exatos atendendo as necessidades específicas das espécies escolhidas. É bom lembrar que, tanto a falta quanto o excesso de água, é prejudicial às plantas, assim, é importante observar que a distribuição de uma mesma espécie, no jardim, poderá estar agrupada ou isolada e à sombra ou exposta ao sol, pois a necessidade de água irá mudar de acordo com essa composição. O projeto de irrigação possibilita a manutenção adequada de jardins aliada à utilização racional de água propiciando economia e evitando desperdício.

AuE Soluções: Existe alguma peculiaridade do D.F. no quesito paisagismo? Se sim, qual?

Gilmar Fernandes: A arborização inicial do Distrito Federal (DF) foi feita com base na experiência de projetos e espécies utilizadas em outras regiões. Muitas espécies utilizadas, à época, não se adaptaram bem às condições climáticas da nova capital. Pela experiência anterior e de posse de novos conhecimentos adquiridos, a NOVACAP, área responsável pelos jardins de Brasília, introduziu novas espécies, principalmente do bioma do cerrado. Hoje, é possível ver que essa experiência deu certo e que certas espécies "exóticas" deram lugar as espécies nativas da região como as copaíbas, angicos, pequis e os ipês que com suas lindas floradas colorem o céu da capital contrastando com a grama seca e queimada.

O paisagismo local também vem evoluindo no sentido de valorizar as espécies nativas do Centro-Oeste. Hoje é possível encontrar espécies mais adaptadas à região, assim como, várias espécies do cerrado que são reproduzidas e disponibilizadas nos viveiros locais. Para exemplificar essa perspectiva, cito o projeto paisagístico feito, em 2010, para a criação do cinturão verde do Bosque dos Constituintes, por meio de parceria entre a Câmara dos Deputados e a Escola de Paisagismo de Brasília (EPB). Fiz parte do grupo envolvido no projeto que foi composto por professores e estudantes da EPB. A exigência era que fossem utilizadas somente espécies nativas do bioma cerrado que tivessem ocorrência no DF e que não fossem exigentes em água. (Veja projeto abaixo)

Projeto cinturão verde do Bosque dos Constituintes



AuE Soluções: Você se inspira nos elementos locais ou tenta abranger ao máximo seu trabalho?

Gilmar Fernandes: Ter a possibilidade de abranger ao máximo o meu trabalho é muito importante, mas a inspiração de elementos locais é muito grande. Fui criado na região dos cerrados, nasci em Minas Gerais e vim para Brasília em 1964. Na minha infância, passava as férias escolares na fazenda do meu avô em Cristalina-GO. Andava pelas matas, pescava, andava à cavalo e nadava no rio em contato intenso com a natureza. Assim, o cerrado, a mata ciliar, as veredas, os brejos e os cantos típicos dos pássaros da região, que permearam a minha infância, são fontes de inspiração para o meu trabalho.

AuE Soluções: Como é a sua relação com a região?

Gilmar Fernandes: Para continuar mantendo contato mais próximo com a natureza, assim que surgiu a oportunidade comprei uma chácara perto de Planaltina-DF. Atualmente, tenho um criadouro de aves silvestres autorizado pelo IBAMA, recuperei e ampliei a mata ciliar e a área de cerrado da propriedade, bem como, plantei vários tipos de plantas para atração da avifauna local. O resultado foi alcançado e várias espécies visitam a propriedade em busca de alimentação, refúgio e reprodução. A expansão da fronteira agropecuária para a região do Centro-Oeste a custa da derrubada do cerrado foi visível, bem como, a destruição de grande parte do cerrado mineiro pelas carvoarias para alimentar as siderúrgicas e para a expansão da agropecuária.

Minha família possui uma fazenda em Paracatu-MG e nas redondezas da propriedade vi córregos e veredas secarem na região, coisa que não acontecia antes, pois a terra era preparada para plantio até a beira dos córregos. As áreas brejadas de algumas veredas eram drenadas, basta lembrar do programa do governo que incentivava o plantio em áreas alagadas chamado Pró-várzea e que, hoje, constitui-se em crime ambiental. Talvez, por tudo isso, comecei cedo a dar a minha cota de contribuição para a natureza utilizando seus recursos mais racionalmente, principalmente, a água.

Lago artificial em Brasília


Lago artificial construído na chácara

AuE Soluções: Como é tratada a água no DF?

Gilmar Fernandes: No Distrito Federal não há grandes rios e a demanda por água é cada vez maior, o que gera conflitos para a sua utilização. Tenho acompanhado a discussão por ser um dos representantes dos produtores da região da Taquara, área rural do DF, onde situa-se a minha chácara. O córrego Taquara situado na região de Planaltina - DF é afluente do Ribeirão Pipiripau cuja Bacia hidrográfica localiza-se no Distrito Federal e no Estado de Goiás. Foi nessa região que começou, de forma maciça, o processo de outorga de água no Distrito Federal pelas entidades gestoras Agência Nacional de Água (ANA) e ADASA - órgão local englobando três núcleos rurais: Taquara, Pipiripau e Santos Dumont. A outorga expedida tinha prazo de validade de 5 anos e estamos agora em processo de renovação. A região da bacia do Pipiripau foi escolhida para a implantação do programa "Produtor de Água" no DF que pretende oferecer recursos para proteger e aumentar a oferta hídrica na bacia prevendo, ainda, a remuneração dos participantes por meio de Pagamento por Serviços Ambientais. A primeira experiência na região do DF começará pelo Ribeirão Taquara.

AuE Soluções: Como você vê o HydroLANDSCAPE, no que diz respeito à sua capacidade de auxílio no projeto de irrigação, nesse mercado?

Gilmar Fernandes: O HydroLANDSCAPE é uma ferramenta que agiliza a elaboração de projetos de irrigação tornando essa tarefa fácil porque possui a mesma interface dos produtos da AUE Soluções, como o PhotoLANDSCAPE e o AutoLANDSCAPE possibilitando a padronização dos projetos a serem apresentados aos clientes.

AuE Soluções: O que você faz para lidar com a ausência de umidade do ar quando elas começam a afetar as plantas e podem acabar por comprometer seu projeto?

Gilmar Fernandes: Esse problema é resolvido com um bom projeto de irrigação como já desenvolvido em questão anterior.

AuE Soluções: A região, em si, investe em irrigação como alternativa de melhorar a qualidade dos espaços verdes?

Gilmar Fernandes: A irrigação na área pública é feita apenas em alguns canteiros centrais de Brasília por caminhões-pipas. Na área privada há mais investimentos na irrigação dos espaços verdes. Existe uma tendência atual em relação à utilização de plantas mais adaptadas ao clima, assim como, a diminuição de grandes áreas verdes plantadas com gramas visando a redução do uso da água. Existem em outros países, principalmente nos Estados Unidos, técnicas conhecidas como xeriscape ou xeriscaping e xerigation. O conjunto de técnicas que utiliza plantas nativas e resistentes à seca que tem por objetivo reduzir ou mesmo eliminar a necessidade de fornecimento de água, por meio de irrigação denominam-se de xeriscaping ou xeriscape (do Grego "xeros"=seco). Xerigation é a irrigação que utiliza produtos específicos capazes de fornecer a quantidade exata de água sem desperdício, tais como: gotejador, borbulhador e microaspersor.


Compartilhar:


Anterior Próximo

Biblioteca gratuita sobre paisagismo.

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: Deodato Peixinho - Data: 01/11/2011 09:29:13

Sou Biólogo/técnico em agropecuária e paisagista amais de 25 anos, a 15 anos venho aprimorando um trabalho paisagístico com espécies da caatinga visando diminuir o consumo de água com manutenção da qualidade dos jardins, se houver interesse em divulgar, aguardo retorno. É um trabalho futurista, ambiental, bonito e propicio para áreas urbanas.



2 - Autor: GLADYS SANCHEZ - Data: 13/10/2011 12:18:40

MUCHAS GRACIAS POR ENVIARME LA REVISTA DE PAISAJISMO! SERA POSIBLE EN ESPAÑOL???? GRACIAS




AuE Responde: Por ahora no tenemos una versión en español, igualmente usted puede traducir la página clicando en la parte superior de la pantalla.




Entrevista
Saiba como projetos de paisagismo beneficiam regiões em que a seca é recorrente
Saiba como projetos de paisagismo beneficiam regiões em que a seca é recorrente

O paisagista Gilmar Fernandes explica como um bom projeto de paisagismo pode beneficiar regiões de seca.

Botânica
Jardins Verticais: Esta ideia pegou em Portugal?
Jardins Verticais: Esta ideia pegou em Portugal?

Os tão falados jardins verticais estão ocupando seu lugar no mercado de paisagismo. Saiba como esta Portugal recebeu essa inovação.

Dicas Técnicas
Quer aumentar o seu banco de dados e melhorar a qualidade das fotos? Veja o tutorial
Quer aumentar o seu banco de dados e melhorar a qualidade das fotos? Veja o tutorial

Saiba como baixar itens e mapas novos para seu banco de dados.

AutoLANDSCAPE: Trabalhando divisores com curvas
AutoLANDSCAPE: Trabalhando divisores com curvas

Aprenda a inserir divisores de canteiros com curvas em seu projeto.

PhotoLANDSCAPE: Que tal utilizar fotos melhores em seus projetos?

Saiba como utilizar fotos melhores em suas fotomontagens.

HydroLANDSCAPE: Tubos coloridos x monocromáticos
HydroLANDSCAPE: Tubos coloridos x monocromáticos

Artigo discute a padronização do uso de linhas coloridas para representar tubos em projeto técnico de irrigação

Ecologia
O Paisagismo que te acompanha da cozinha até seu banho
O Paisagismo que te acompanha da cozinha até seu banho

Saiba como ter sua própria horta em casa e usufruir de seus benefícios.

Novidades
Saiba como foi a 14º Fiaflora e o Concurso Nacional de Paisagismo Urbano
Saiba como foi a 14º Fiaflora e o Concurso Nacional de Paisagismo Urbano

Veja como foi o evento como foi a participação da AuE Soluções nas atividades paralelas.

Notícias
Queimadas destróem 25% da Floresta Nacional de Brasília
Queimadas destróem 25% da Floresta Nacional de Brasília

Uma das maiores riquezas da fauna e flora brasileira, a Floresta Nacional de Brasília, sofre com incêndio criminoso.

Portugal incentiva cidadãos a produzir em  espaços não aproveitados
Portugal incentiva cidadãos a produzir em espaços não aproveitados

Saiba o que é e como funciona o banco de terra.

"Praças Brasileiras" analisa características paisagísticas desses espaços desde o período colonial
"Praças Brasileiras" analisa características paisagísticas desses espaços desde o período colonial

O autor Fábio Robba destrincha a história das praças do Brasil e seus aspectos paisagísticos.

Curso de Jardins de Cobertura e Jardins Verticais em Portugal

Aprenda algumas especialidades do paisagismo no curso que será oferecido em duas edições em Portugal

Curso de Formação de Floristas VieDecor em Porto Alegre

Adquira mais conhecimento profissional com o curso de Preparação de Floristas da VieDecor

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 8 No 88 / Setembro de 2011

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Jardim de Pedra

Paisagista Osmar da Silva e Paulo Henrique Góes

Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*