Descrição taxonômica das Tillandsias

Autor: Rômulo Cavalcanti Braga - Data: 01/11/2012

A Descoberta das Tillandsias
A primeira vez que uma Tillandsia foi vista por um europeu, na época de Cristovão Colombo, o pensamento de ver uma árvore, com cada ramo de folhas diferentes deve ter assustado os conquistadores. A primeira descrição de uma Tillandsia que se tem notícia (Tillandsia utricularia), data do inicio do século dezessete, e foi feita por Gaspard Bauhin. Mas foi apenas um século depois, em 1737, que o gênero Tillandsia surgiu na literatura, escrita por Lineu.


Cipó com Tillandsias

Ao longo dos anos e explorações da América do Sul, a família Bromeliaceae Juss. e o gênero Tillandsia teve o seu numero de espécies aumentado, atingindo a cifra atual de três mil espécies de bromélias, incluindo cerca de quinhentas espécies de Tillandsias.
Obviamente, esses números ainda são variáveis, dependendo da origem e são esperados para evoluir nos próximos anos, nomeadamente através da utilização da biologia molecular.


Tillandsia brachycaulos Schltdl.

As Tillandsias da Atualidade
Originalmente, o interesse pelas Tillandsias era apenas para estudos botânicos. Quanto a descoberta de novas espécies e sua cultura, de modo especial, as pessoas começaram a querer cultivá-las em casa. Originalmente vendidas como cenário descartável, simples, de plantas que não necessitam de água. Isto era constantemente fonte de novos espécimes, que foram muitas vezes colhidos sem parcimônia. Esta é uma das razões para a escassez dessas plantas na natureza (como muitas outras plantas tropicais).

Hoje, as coleções são raras e controladas, as Tillandsias vendidas vêm de bromeliários e fazendas localizadas nos países tropicais ou de culturas feitas em estufas. Obviamente, isso não é suficiente para reparar os danos a estas espécies e àquelas plantas que vivem ao lado das Tillandsias.

Nota-se que as Tillandsias são utilizadas em alguns centros de jardinagem mas, neste caso, nenhuma explicação é dada na compra dessas plantas, e as respostas às perguntas feitas nas lojas sobre sua cultura sugerem que ainda há muito a ser feito em termos de comunicação sobre estas plantas.

De onde Provêem?
As Tillandsias são originárias da América do Sul e América Central. Elas são encontradas do sul da Argentina ao sul dos Estados Unidos. Hoje, com as exportações e a incrível capacidade de adaptação das plantas, elas são encontradas em muitas regiões tropicais do mundo, seja na África ou na Ásia.

Climatologia
A América do Sul tem uma incrível diversidade de biomas, como a Floresta Amazônica que cobre seis milhões de quilômetros quadrados e a Cordilheira dos Andes, chegando a quase sete mil metros. O resultado é uma diversidade significativa em termos de habitats e climas, principalmente em relação à altitude e distância do mar e podem ser observadas zonas úmidas e áreas mais secas, com todos os intermediários possíveis. No entanto, podemos classificar os climas encontrados pelas Tillandsias em vários grupos principais:


Tillandsia cerrateana L.B.Sm.

· Habitat de Floresta - Há precipitação pluviônica, umidade e pouca luminosidade. Sem estação seca;

· Habitat Semi-Árido - Há redução da pluviosidade e maior intensidade de luz. A estação seca é mais ou menos acentuada;

· Habitat Árido - Há baixa precipitação pluviônica (desigualmente distribuída ao longo do ano), sol forte e pronunciada estação seca de mais longo período;

· Habitat de Altitude - Podem variar entre úmidos, semi-áridos ou áridos, mas têm maior amplitude térmica (à noite a temperatura pode descer abaixo de 0º C) e uma exposição muito maior aos raios solares.

Estilo de Vida
A maioria das Tillandsias são epífitas, ou seja, vivem ligadas a outras plantas, geralmente nas axilas dos ramos, sem as parasitar. No entanto, as Tillandsias também podem colonizar outras locais, como rochas (conhecidas com espécies rupícolas), paredes, telhados, fios elétricos... O filtro de mineral da planta ocorre quando há água da chuva, portanto é responsável pelos minerais em contato com a planta. Observe-se que algumas Tillandsias são terrestres. Nesta disposição as Tillandsias epífitas podem colonizar muitos círculos. Mesmo dentro de uma árvore, podemos distinguir varias etapas, desde a base do tronco ou ramos principais, relativamente escuros, protegidos e que abrigam espécies bem tolerantes à sombra, a copa é muito iluminada, mais quente, muito arejada e abriga espécies heliófitas. Para algumas espécies que vivem sobre rochas e/ou telhados (rupícolas), obviamente vão ser mais tolerantes a intensa luminosidade e ventilação.
Esses exemplos mostram a incrível versatilidade demonstrada por estas plantas, que podem ser encontradas em zonas úmidas, secas, médias, relativamente frias e extremamente personalizável.


Tillandsia copalaensis Ehlers

Descrição Botânica - O grupo é constituído por plantas monocotiledôneas com as seguintes características:

1. Raízes aglomeradas - Possuem um monte de raízes de tamanho substancial ou em cabeleira, ao contrario das raízes mestras das árvores, por exemplo;

2. Nervação paralela - As costelas são paralelas e não reticuladas;

3. Ausência de madeira - Flores geralmente triméras (simetria da flor de ordem);

4. Embrião - Com um cotilédone

Nesta classificação pode-se incluir as palmeiras, gengibres, açafrão, capins e as bromélias. Na ordem das bromeliáceas se inclui a subfamília Tillandsioideae. Esta vasta subfamília inclui cerca de cinqüenta gêneros.


Tillandsia ionantha Planch.

É possível ampliar mais ainda esta classificação, com as subespécies (subsp.) e as variedades (var.). A título de ilustração podemos tomar por exemplo a subespécie da Tillandsia ionantha, que difere das espécies tipo por uma intensa coloração vermelha nas folhas. Desta subespécie, há a variedade ´México´, que fica intensamente vermelha assim que o sol se põe.


Tillandsia edithae Rauh

Anatomia Taxonômica
Veremos agora os diferentes órgãos das Tillandsias. Como todas as plantas elas têm raízes, folhas e flores. No entanto, dado o seu estilo particular de sobrevivência, esses órgãos têm algumas funções surpreendentes em relação as plantas clássicas.

Raízes - Elas geralmente não são numerosas, são ramificadas, arredondadas, lisas e glabras. Elas parecem mais um ápice inchado. Elas crescem perfeitamente em harmonia como apoio, que lhes permite permanecer apoiada ao substrato. As raízes das Tillandsias são especiais, uma vez que muitas vezes têm apenas uma função (exceto para as espécies terrestres); o titular de plantas pênseis. Para fazer isso, elas mostram uma notável força apesar de sua relativa suavidade.

Esta resistência é devido ao alto teor de lignina de alguns tecidos que constituem a raiz. Observe-se que não é uma goma de cor marrom secretada pelas raízes a fim de reforçar a adesão ao substrato. As raízes não têm clorofila e, portanto, não se dedicam a fotossíntese (em oposição às raízes das orquídeas Phalaenopsis por exemplo).
A raiz é o transporte de açúcares da fotossíntese (seiva) de folhas para as raízes. Ela garante, além das espécies terrestres, o transporte de água e sais minerais (seiva) das raízes para a parte aérea. Entre as espécies epífitas, apenas o ápice parece vivo, enraizado.
Ao se olhar rapidamente sua aparência parece seca e marrom. Assim, as raízes são utilizadas única e exclusivamente para fixação e/ou ancoragem nos seus hospedeiros. Nesse caso a absorção de água e nutrientes é efetuada através das escamas peltadas, num mecanismo de osmose.

Folhas - Tillandsias possuem folhas geralmente numerosas, inseridas em torno de uma haste por vezes muito curta, as vezes longas (podendo chegar a mais de um metro de comprimento). O caule pode ser empurrado indefinidamente (no caso da Tillandsia duratii Vis.) ou morrer na sua parte antiga e crescer como estolhos (como a Tillandsia latifolia Meyen) ou quebrar em ramos médios de dispersão da planta (como a Tillandsia heteromorpha Mez).

Algumas espécies de caules monocárpicos também podem produzir estolhos (como a Tillandsia espinosae L.B.Sm.). As folhas das Tillandsias são de várias formas e cores. Elas geralmente são alongadas e arranjadas em torno da haste mas, às vezes, possuem rosetas. Neste caso, a planta não irá colocar uma haste. As folhas vão surgir no meio da espiral e a roseta vai reunir na borda como e quando as folhas novas aparecem.
Isso se aplica, por exemplo a Tillandsia plagiotropica Rohweder. As folhas têm uma bainha na base do limbo. Esta bainha, está mais ou menos, presente em varias formas, muitas vezes discriminadamente para a determinação de certas espécies. O tamanho da bainha também vai determinar a capacidade da planta para reter a água:

· Bainhas amplas e as folhas são apertadas tornando partes impermeáveis da planta, inclusive na base das folhas da roseta. Ex: Tillandsia tricolor.

· Bainhas levemente marcadas e com poucas folhas ou camadas são menos impermeáveis ou não retêm a água esperada. Ex:Tillandsia macbrideana L.B.Sm.


Tillandsia streptophylla Scheidw. ex E.Morren

Note-se que algumas espécies podem variar em forma (polimorfismo) dependendo do seu estado de hidratação. Considere o caso da Tillandsia streptophylla, cujas folhas podem enrolar, dando uma aparência compacta para a planta quando está com sede, para limitar a superfície de troca gasosa da planta com o seu ambiente. Ao se dar a restauração das zonas úmidas, a planta se desenvolverá com suas folhas normais.

Epiderme
Nas Tillandsias, a epiderme é muito especializada. Na verdade, o estilo de vida epifítica oferece muitas vantagens (estar próxima ao solo e umidade mais próxima do dossel), mas também há algumas desvantagens: falta de água e umidade, calor, as vezes excessivo. Para superar esses problemas, a maioria das epidermes das Tillandsias são protegidas para evitar o desgaste, são mais ou menos cobertas com escamas peltadas especializadas. Estas escamas que formam os tricomas têm varias funções:

1. Refletir o excesso de luz de forma a proteger as folhas de uma radiação muito forte;

2. Prontamente absorver a água - até mesmo como uma névoa, e preservar a superfície do lençol molhado o maior tempo possível, de modo a dar tempo para que a planta absorva a água;

3. Captar e reter as partículas dos minerais dispersos na poeira levada pelos ventos;

4. Limitar a perda de água através da transpiração;

5. Proteger certas espécies contra o frio.

As escamas consistem em uma cúpula central, compostas por quatro células, anéis concêntricos e uma asa. Podem se apresentar em três espécies:

1. Espécies Brancas - com muitas escalas e geralmente vivem em condições de seca e/ou de muita luz. Isso é confirmado nas espécies conhecidas como xerófitas como por exemplo: asTillandsias tectorum E.Morren são xerográficas.

2. Espécies Intermediárias - com uma baixa densidade de escamas, geralmente vivem em condições menos extremas do que a anterior - no caso da maioria das Tillandsias, por exemplo: Tillandsia lautneri Ehlers, Tillandsia caput-medusae E.Morren.

3. Espécies Verdes - com escalas poucas ou nenhuma e geralmente vivem em ambientes um pouco mais cobertos e geralmente úmidos, por exemplo:Tillandsia bulbosa Hook. (a lâmina é quase desprovida de escamas), Tillandsia dyerianaAndré, Tillandsia cyanea Linden ex K.Koch.

As folhas também são fornecidos poros chamados estômatos, que permitem a troca gasosa. Encontram-se sob as escamas na parte inferior das folhas, no caule ou nas brácteas. Nas Tillandsias eles se fecham durante o dia, abrindo-se à noite para capturar o dióxido de carbono que será usado na manhã seguinte, com a luz. Falamos aqui sobre o metabolismo CAM. Isto tem duas conseqüências praticas da sua cultura:

· Ao contrário da crença popular, ao ser colocar em uma câmara um exemplar de Tillandsia, nenhum problema com dióxido de carbono será detectado, uma vez que é absorvido durante a noite.

· Deve-se evitar regas noturnas a fim de não impedir que essas trocas gasosas ocorram.

No próximo número falaremos sobre a Inflorescência das Tillandsias, as sementes, os polinizadores, reprodução e frutos. Aguarde!

Encontre Tillandias aqui:
Tillandsias - Boiatche Bromeliário

Obs:Interessados na compra de exemplares desta variedade ou outras, favor solicitar Catálogo Fotográfico pelo e-mail:romulocbraga@uol.com.br


Compartilhar:



 eBook: 5 Dicas sobre Paisagismo Comestível

Comente esta matéria:
Nome:
E-mail:
Digite o seu comentário sobre a matéria:
Qual a sua avaliação sobre esta matéria ?



1 - Autor: izael barbosa de lira - Data: 26/11/2012 16:48:00

a planta acima citada como (Tillandsia brachycaulos Schltdl) tratasse de uma tillandsia xerográfica nativa do sul do méxico e guatemala!




Entrevista
A Paisagista Ana Toledo fala sobre seus projetos
A Paisagista Ana Toledo fala sobre seus projetos

"O Paisagismo é a simplicidade de trazer a sabedoria da Natureza, como matéria para a concepção de um Novo Espaço"

Quem são os profissionais dedicados que fazem a revisão do banco de dados de plantas da AuE Soluções
Quem são os profissionais dedicados que fazem a revisão do banco de dados de plantas da AuE Soluções

Conheça os profissionais que trabalham para oferecer a você a nomenclatura atual das plantas do Paisagismo Digital, AutoLANDSCAPE e PhotoLANDSCAPE

Botânica
Descrição taxonômica das Tillandsias
Descrição taxonômica das Tillandsias

Origem, habitat,estilo de vida,espécies e descrição botânica das Tillandsias

Dicas Técnicas
AutoLANDSCAPE 2012: A ferramenta certa para o paisagista moderno
AutoLANDSCAPE 2012: A ferramenta certa para o paisagista moderno

De tempos em tempos é necessário aprimorar as ferramentas para obter maior resultado. Vem aí o novo AutoLANDSCAPE

HydroLANDSCAPE 2012: A importância da irrigação
HydroLANDSCAPE 2012: A importância da irrigação

Investir em irrigação fica caro? Saiba sobre a importância da irrigação.

PhotoLANDSCAPE 2012: Beleza e funcionalidade
PhotoLANDSCAPE 2012: Beleza e funcionalidade

O que devemos priorizar no desenvolvimento de fotomontagens, beleza ou funcionalidade?

Notícias
A tempestade Sandy: os efeitos do aquecimento global serão inevitáveis?
A tempestade Sandy: os efeitos do aquecimento global serão inevitáveis?

A tempestade Sandy, nos Estados Unidos, além de todos os prejuízos e mortes causados, serve de alerta em relação ao aquecimento global.

Políticas Públicas de Mudanças Climáticas
Políticas Públicas de Mudanças Climáticas

De acordo com o Observatório de Políticas Públicas de Mudanças Climáticas, doze Estados brasileiros sancionaram leis sobre a questão climática.

Pós Graduação em plantas medicinais
Pós Graduação em plantas medicinais

Universidade Federal de Lavras MG - Seleção para Pós graduação em Plantas Medicinais

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 9 No 101 / Outubro de 2012

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Recanto da Baronesa - Loteamento Agroecológico

Mário Sérgio Soléo Scalambrino

Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501

X

AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*