Marieta Maciel fala sobre seu trabalho no Parque Municipal de BH

Autor: Anita Cid - Data: 07/04/2008

Marieta Cardoso Maciel possui graduação em Arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais (1971), especialização em Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (1972) e doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas pela Universidade de São Paulo (1999). Foi arquiteta urbanista da Prefeitura de Belo Horizonte (1974-1995), gerente do Parque Municipal Américo René Gianneti (2000-2002), vice-diretora da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (2002-2006), conselheira da Câmara Especializada de Arquitetura do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (2000-2006). Atualmente é Professora efetiva do Departamento de Projetos da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (desde 1977), Membro do Conselho Municipal do Meio Ambiente representando o Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento de Minas Gerais (desde 2000), representante da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas em Minas Gerais (desde 2004). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Projeto de Arquitetura e Paisagismo Urbano, atuando principalmente nos seguintes temas: projeto de praças, parques, vias de circulação e paisagem urbana.

AuE Soluções: Qual a sua formação acadêmica?

Marieta: Sou engenheira-arquiteta formada em 1971 pela Escola de Arquitetura da UFMG, com especialização em urbanismo em 1971-1972 pela Escola de Arquitetura da UFMG. Mais tarde, fiz Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas - subárea projetos, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, em 1999.

AuE Soluções: Como surgiu seu interesse pelo paisagismo?

Marieta: Desde 1974 ingressei como arquiteta urbanista na Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e o serviço técnico e profissional sempre foram os espaços livres públicos como as praças, parques, vias públicas entre muitos outros. Assim fui aprendendo a lidar com a tipologia espacial, com a cidade e com a técnica da paisagem urbana.

AuE Soluções: Como que é o trabalho que a senhora desenvolve na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)?

Marieta: Sou professora desde 1977 na Escola de Arquitetura da UFMG, no Departamento de Projetos. Ao longo destes anos tive a oportunidade de lecionar quase todas as disciplinas do departamento, aprendendo ensinando. Simultaneamente trabalhava na Prefeitura de Belo Horizonte e as experiências profissionais e docentes se complementavam e ainda se completam. Atualmente sou Professora Coordenadora da disciplina do 9º período do Curso de Graduação - Projeto Integrado de Arquitetura Urbanismo e Paisagismo II. A disciplina propõe uma síntese dos conteúdos programáticos do currículo do curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo entre elas, Paisagismo. Sou também professora do mestrado - "Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável" da Escola de Arquitetura da UFMG (EAUFMG) -, com outros professores das disciplinas: "Paisagismo e Meio Ambiente, teorias e intervenções" e "História da Paisagem". Participo, ainda, nas equipes de projetos de pesquisas e extensão que envolvam a temática paisagismo e meio ambiente.

AuE Soluções: No Brasil ainda não existe um curso voltado especificamente para paisagismo, como suprir esta carência dentro da faculdade de Arquitetura?

Marieta: O curso de graduação da EAUFMG tem duas disciplinas obrigatórias de paisagismo em seu currículo: Introdução ao Paisagismo e Paisagismo I. No meu entender o curso, que é generalista, proporciona conhecimentos básicos para a competência profissional, mas não o suficiente para o aprofundamento e a investigação. Os cursos de pós-graduação, a especialização, o mestrado e o doutorado é que pesquisam a ciência do paisagismo.

AuE Soluções: Como a tecnologia auxilia no ensino de paisagismo e arquitetura?

Marieta: Agilizando o processo de representação gráfica técnica e artística. A tecnologia auxilia não só o ensino como a prática profissional. Novos materiais são empregados, novos conhecimentos estão disponíveis e novas formas e funções aparecem na arquitetura e na vida. As universidades, laboratórios, pesquisas-ação são alguns usuários e alimentadores da tecnologia.

Os parques urbanos são reservas e vestígios dos elementos naturais ainda sobreviventes nas cidades e devem ser criados, usados e mantidos. Infelizmente as cidades brasileiras ainda não sabem disso.


AuE Soluções: A senhora é integrante da ABAP e foi fundadora do braço da instituição em Belo Horizonte. Qual a importância de uma associação como esta para os profissionais?

Marieta: Sou membro sócio da ABAP a muito tempo, assim como do Instituto de Arquitetos do Brasil de Minas Gerais (IAB/MG) e do Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas de Minas Gerais (SINARQ/ MG), por acreditar no trabalho profissional com contribuições de todos para os conhecimentos e objetivos classistas. A transmissão de experiências da profissão em diversos lugares do país é imprescindível para a sua avaliação qualitativa e quantitativa. Com muita honra represento a ABAP em Minas. Mas, sinceramente, ainda não consegui realizar os objetivos almejados.

AuE Soluções: E quais são seus objetivos em relação a ABAP?

Marieta: O principal objetivo é divulgar o paisagismo, a entidade, agregar associados em Minas Gerais e proporcionar curso e palestras de profissionais nacionais e internacionais, como é feito em São Paulo e no Rio. A situação atual é propícia pois a ABAP Minas, o Sindicato de arquitetos entre outros, estão juntos com o Instituto de Arquitetos do Brasil Departamento MG, quando poderemos em conjunto realizar os objetivos comuns.


AuE Soluções: Atualmente, vê-se por parte da mídia e do Governo uma grande preocupação em incentivar a preservação e recuperação do meio ambiente. E, a partir desta consciência, você acredita que os parques urbanos ganham mais destaque na cena urbana?

Marieta: Os parques públicos existem, como bem público, desde o Século XIX a época da consciência e do seu valor urbano. Acho que sou privilegiada, pois, vivenciei a criação da Secretária do Municipal de Meio Ambiente e o Conselho Municipal do Meio Ambiente em Belo Horizonte desde 1985. Mas o assunto não é novo, desde 1972, internacionalmente, vivenciamos os problemas e acertos. Hoje são reservas e vestígios dos elementos naturais ainda sobreviventes nas cidades e devem ser criados, usados e mantidos. Infelizmente as cidades brasileiras ainda não sabem disso.

AuE Soluções: A senhora foi diretora do Parque Municipal de BH, qual a importância deste parque para a cidade e região?

Marieta: Fui convidada pelo Secretário de Meio Ambiente para ser Gerente do Parque Municipal Américo René Giannetti, em 2000, já aposentada na Prefeitura de BH e especialista em Parques públicos. Permaneci até 2003 quando pedi minha exoneração para assumir a Vice-Diretoria da Escola de Arquitetura da UFMG.
Constatei a sua importância patrimonial, cultural e, em síntese, ambiental. O Parque desenhado no estilo "paisagista", pedaços em estilo "clássico francês", versões modernas e contemporâneas e uso público excessivo e impactante. O único parque que os cidadãos conhecem e o único que foi planejado junto com a cidade. Durante a minha gestão, eu e a equipe multidisciplinar (todos funcionários técnicos e permanentes da Prefeitura de Belo Horizonte) procuramos conhecer e elaborar um plano para usar, manter e conservar sempre o parque principal da cidade de Belo Horizonte - "Programa Parque 21". Até hoje as diretrizes estão sendo concretizadas.

AuE Soluções:No que consiste o "Programa Parque 21"

Marieta: Enquanto gerente do parque municipal Américo Renê Giannetti, (foram dois anos), coordenei a elaboração de um programa visando a sustentabilidade : dos recursos naturais, limpeza, infra-estrutura da sua economia e adequação urbana. Ou seja, adequar o parque ao uso público contemporâneo da sua gestão, com técnicos e funcionários adequados aos serviços do parque. para isso trabalhamos eu e mais 20 técnicos da prefeitura: engenheiros sanitaristas, florestais agrônomos, arquitetos, biólogos, historiadores, sociólogos etc) durante 6 meses para a sua elaboração. O Programa é como se fosse um plano diretor que deve ser seguido e reavaliado de tempos em tempos. Este nos permitiu conhecer o próprio parque, seus problemas, acertos e potencialidades . Os problemas foram hierarquizados e soluções foram propostas. É uma estratégia para revitalizar o parque que se encontrava em estado de decadência. As gestões posteriores estão seguindo-o e muitas ações que já foram feitas.


Compartilhar:


Anterior Próximo

Biblioteca gratuita sobre paisagismo.

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: emelly - Data: 16/09/2010 15:22:26



2 - Autor: valeria - Data: 27/02/2009

Ótima matéria... Queria um fone de contato,esse não esta funcionando,tenho intersse nesse projeto.obrigado



3 - Autor: jose dos santos - Data: 19/02/2009

gostaria de fazer um curso ou uma universidade para ser GERENTE DE PARQUES MUNICIPAIS,OU ESTADUAIS.



4 - Autor: Denise - Data: 08/07/2008

Só gostaria de resaltar que existe uma faculdade de Composição Paisagística no Rio de Janeiro na UFRJ, num período de 4 anos, que eu fiz,conhecem?



5 - Autor: Omir Curvellano Junior - Data: 13/04/2008

ótima entrevista,porque expõe claramente a visão da experiência com a atualidade.



6 - Autor: ABIGAIL PONTES - Data: 06/04/2008

As entrevistas são boas, mas no meu ponto de visto precisaria de mais detalhes. Por exemplo: no caso de parque , qauis os probleas, quais as soluções, quias as ações que deram certo, o que mais atrai em um parque......



7 - Autor: Mário Robson - Data: 05/04/2008

parabens




Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*