Mudança de nomes botânicos e a história do nome de Agapanthus africanus

Autor: Marines Eiterer - Data: 07/04/2015

Agapanthus praecox

Quem trabalha com plantas reclama muito da mudança de nomes científicos. Mas na verdade isso sempre aconteceu, com plantas, animais e muitos outros organismos. Estamos numa busca por uma classificação o mais natural possível. Entretanto, algumas mudanças são na verdade correções de um erro que ocorreu no passado, como foi o caso do Agapanthus africanus. Não houve uma mudança no nome, mas uma correção no seu uso. O nome Agapanthus africanus é um nome válido e é usado, mas nós não cultivamos em nossos jardins essa espécie.

Agapanthus é um gênero de plantas originárias da África do Sul, isto é, só ocorrem naturalmente lá e em nenhum outro lugar. Elas ocorrem geralmente em áreas onde chove mais que 500mm por ano e em altitudes até 2.000 m. O nome Agapathus é formado por duas palavras gregas ágape e anthos que significam amor e flor, respectivamente, o que poderia ser interpretado como flor do amor, mas há outras interpretações possíveis.

O gênero Agapanthus foi descrito pelo botânico francês Charles Louis L Héritier de Brutelle (1746 -1800) também conhecido por L Héritier, em 1788. Primeiro, Agapanthus foi incluído nas família dos lírios (Liliaceae) depois na família dos narcisos (Amaryllidaceae), a seguir na família das cebolas (Alliaceae), voltou para Amaryllidadeceae, foi colocado em Agapanthaceae, uma família exclusiva dos Agapanthus e por fim voltou para Amaryllidaceae. 

O botânico Frances M. Leighton revisou o gênero, em 1965  e reconheceu dez espécies de Agapanthus: A. africanus (L.) Hoffmanns,  A. campanulatus Leighton, A. caulescens Sprenger,  A. coddii Leighton,  A. comptonii Leight, A. dyeri Leight,  A. inapertus Beauv.,  A. nutans Leight, A. praecox Willd, A. walshii L. Bolus. Contudo, utilizando o conteúdo do DNA, a vitalidade e a cor do pólen  como critério para investigar todos os gêneros de Agapanthus, Ben J. M. Zonneveld e Graham D. Duncan, em 2003, reconheceram apenas 6 espécies: A. campanulatus Leighton, A. caulescens Sprenger, A. coddii Leighton, A. praecox Willd., A. inapertus Beauv. and A. africanus (L.) Hoffmanns.

Algumas espécies de Agapanthus são cultivadas nos jardins de todo o mundo, por causa de suas inflorescências  globosas compostas de  pequenas flores azuis ou brancas. As espécies de Agapathus são muito variáveis nas suas características e distribuição, mas muitos similares quanto ao seu aspecto, por isso, são difíceis de identificar. Leigos e viveiristas identificam dois Agapanthus comuns nos jardins como Agapanthus africanus e Agapanthus orientalis. Agapanthus africanus é uma planta difícil de cultivar. Qualquer Agapanthus designado africanus no comércio de plantas é quase certamente Agapanthus praecox. 

Agapanthus praecox

Agapanthus africanus foi a primeira espécie de Agapanthus coletada na África do Sul e descrita em 1679 pelo nome de Jacinto africanus por Carolus Linnaeus (1707-1778). As plantas foram cultivadas e floresceram na Europa no final do século XVII. Talvez esteja aí o início da confusão. Além disso, todo Agapanthus é africano, mas nem todo Agapanthus que vem da África é Agapanthus africanus. Por fim, plantas identificadas como Agapanthus orientallis  são na verdade  Agapanthus praecox, o nome Agapanthus orientalis tornou-se uma sinonímia, depois da revisão de Ben J. M. Zonneveld e Graham D. Duncan, em 2003. Livros e sites que mostram Agapanthus africanus e Agapanthus orientalis, como plantas cultivadas em jardins estão, na verdade, desatualizados.

M. Eiterer


Fonte:

LEIGHTON, F.M. 1965. The genus Agapanthus LHeritier. Journal of South African Botany, suppl. vol. no. 4. National Botanic Gardens, Cape Town.
ZONNEVELD, B. J. M. & DUNCAN, G. D. 2003. Taxonomic implications of genome size and pollen colour and vitality for species of Agapanthus L Héritier. Plant Syst. Evol. 241:115-123 (2003).



Veja também:



  1. O nome de uma planta



  2. O nome de uma planta II: cultivar



  3. Conheça a norma para nomes científicos - O código botânico



  4. Duas ou três coisas sobre as coníferas



  5. As plantas e o aquecimento global



  6. Jardinagem Orgânica



  7. Os segredos do florescimento



  8. Beleza que não se vê



  9. Os cultivares e o banco de dados de plantas da Aue Soluções



  10. A revolução das plantas secas




Compartilhar:


Anterior Próximo


Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



---
Entrevista
Entrevista: Paisagista Alexandre Drefahl fala sobre o paisagismo atual
Entrevista: Paisagista Alexandre Drefahl fala sobre o paisagismo atual

O paisagismo tem uma participação cada vez maior na valorização imobiliária. Deixou o segundo plano para ganhar a cena

Entrevista: Helton Josué Teodoro Muniz, maior colecionador de frutíferas do Brasil
Entrevista: Helton Josué Teodoro Muniz, maior colecionador de frutíferas do Brasil

Maior coleção de plantas frutíferas do Brasil, certificada pelo RankBrasil,em 2015,Campina do Monte Alegre (SP)

Botânica
Mudança de nomes botânicos e a história do nome de Agapanthus africanus
Mudança de nomes botânicos e a história do nome de Agapanthus africanus

Conheça a história do nome de Agapanthus africanus

Dicas Técnicas
AutoLANDSCAPE 2016: Selecionando Hachuras
AutoLANDSCAPE 2016: Selecionando Hachuras

Aprenda a utilizar as hachuras para deixar seu projeto de paisagismo mais real com o AutoLANDSCAPE 2016

PhotoLANDSCAPE 2016: Selecionando itens, mapas e modelos 3D
PhotoLANDSCAPE 2016: Selecionando itens, mapas e modelos 3D

O PhotoLANDSCAPE 2016 traz novos recursos para a seleção de itens e suas informações em seu projeto de paisagismo. Confira!

HydroLANDSCAPE 2016: Novas ferramentas da tela de Diagrama
HydroLANDSCAPE 2016: Novas ferramentas da tela de Diagrama

Veja as novas ferramentas da tela de Diagrama e como elas podem auxilia-lo a desenvolver seus projetos de forma mais ágil utilizando o HydroLANDSCAPE

LandMANAGER 2016: Seja um usuário Beta

Veja como se tornar um testador beta do programa de Execução e Manutenção de áreas verdes da AuE Software.

Notícias
Curso de Jardinagem Básico

Espécies ornamentais para jardim, substratos, compostagem, plantios, poda, propagação,implantação e manutenção de jardins

Euanthus panii a flor de 160 milhões de anos
Euanthus panii a flor de 160 milhões de anos

Uma espécime de aproximadamente 160 milhões de anos (período Jurássico) foi encontrada na China

Forneço mantas para jardim vertical - importadas da Espanha
Forneço mantas para jardim vertical - importadas da Espanha

Mantas de alta qualidade, em rolos de 60m, importadas da Espanha. Interessados entrar em contato com conceiçãolimoli@terra.com.br

12° Garden Fair: Novidades e bons negócios para profissionais
12° Garden Fair: Novidades e bons negócios para profissionais

Este ano acontece a 12 edição da Garden Fair. Saiba mais sobre o evento.

22 Hortitec: Exposição de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas
22 Hortitec: Exposição de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas

venha participar da 22 edição da Hortitec em Holambra

Deixe o passado para trás!
Deixe o passado para trás!

Esqueça o passado, Hoje você pode trabalhar com softwares mais eficientes e obter melhor aproveitamento

O workshop "Restauro de Jardins Históricos".
O workshop "Restauro de Jardins Históricos".

O Museu Mariano Procópio de Juiz de Fora sedia um Curso de grande importância: O workshop "Restauro de Jardins Históricos".

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 11 No 130 / Março de 2015

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Projeto em um sítio

ALESSANDRA VILLELA PAISAGISMO LTDA - ME

Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (27) 99298-2445

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*