Entrevista com o arquiteto Luciano Fiaschi

Autor: Adriana Corrêa - Data: 08/09/2003

Formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP) em 1968, iniciou sua carreira profissional em uma firma de arquitetura e paisagismo, onde participou de vários projetos até 1971. A partir dessa data, estabeleceu escritório próprio*, dedicando-se exclusivamente à Arquitetura Paisagística. Em seus 35 anos de atividade profissional participou de trabalhos das mais diversas escalas, desde jardins residenciais até Planos Diretores Regionais. Em entrevista para a Revista Digital AuE Soluções, Fiaschi falou um pouco das suas experiências em diversos estados do país, sobretudo em São Paulo.

AuE: Como começou na profissão de paisagista?
Fiaschi: Comecei em 1967, como estagiário no escritório do arquiteto paisagista Roberto Coelho Cardozo, em São Paulo. O estágio me deu a oportunidade de ter uma experiência prática da profissão. Sob a influência desse trabalho, me tornei um arquiteto urbanista.

AuE: Os seus trabalhos seguem algum estilo?
Fiaschi: Não. Sou um profissional contemporâneo, ou seja, o que caracteriza os meus projetos é a arquitetura da nossa época. Acho complicado classificar um trabalho sob determinado estilo. Por exemplo, se o cliente quer um jardim japonês, vou buscar na arquitetura e no paisagismo dessa região somente a inspiração para construir um jardim contemporâneo. Pois temos climas diferentes e a vegetação não se adapta da mesma forma. Nesse caso, a solução é substituir as plantas temperadas pelas tropicais. Além disso, as diferentes épocas interferem nesse processo. Hoje, utilizarmos tecnologias para produzir o efeito desejado em menos tempo, sem ter que cuidar de um bonsai por quase uma centena de anos, o que torna inviável criar um legítimo jardim japonês.

AuE: Dentro do ramo da arquitetura e paisagismo, qual a sua especialidade?
Fiaschi: Minha especialidade é o projeto completo, que compreende três etapas: os estudos preliminares, o ante-projeto e o projeto executivo. Na primeira etapa, são avaliadas as soluções que mais se aproximam das expectativas do cliente. Na segunda, é apresentado ao cliente a idealização do projeto, que é submetido a sua aprovação. Na terceira etapa, é feito o projeto básico (estruturação), o projeto dos elementos construídos e, por último, o projeto de plantio ou jardinagem.

AuE: Na sua opinião, o que caracteriza um bom projeto?
Fiaschi: Um bom projeto é aquele que se ajusta às condições físicas do terreno, às edificações e ao entorno, respeitando a paisagem regional. Nos meus trabalhos, procuro criar soluções tanto estéticas como funcionais para o plantio, estruturação e construção. Além disso, a obra deve ter um bom desenho, respondendo às aspirações do cliente, e estar sintonizada com os espaços internos da arquitetura e os espaços externos do jardim.

AuE: Como a tecnologia auxilia o seu trabalho?
Fiaschi: Arquitetos e paisagistas têm hoje a sua disposição uma série de avanços tecnológicos para a pronta solução e resolução da obra. O mercado está ciente da importância do tratamento paisagístico de uma área e, em consequência disso, novas tecnologias estão surgindo. Procuro me beneficiar desses recursos, combinando criatividade e tecnologia para uma maior conservação e valor estético dos meus trabalhos.

AuE: É utilizado algum recurso na criação dos projetos? Qual?
Fiaschi: Sim. Utilizo o software AutoLANDSCAPE que me auxilia bastante na criação dos projetos. Fui um dos primeiros a testar a tecnologia, tendo ajudado na sua concepção. Acho que a ferramenta é uma grande facilitadora, sobretudo para projetos que requerem pouco tempo de planejamento e qualidade na apresentação.

AuE: Qual o seu último trabalho?
Fiaschi: Um projeto residencial na Praia de Iporanga, no Guarujá, Litoral Paulista, executado em agosto de 2004. O terreno de frente para o mar tem o privilégio de limitar-se com a área de mata preservada do condomínio. O pátio interno, junto ao bloco de escada, propiciou um tratamento mais elaborado, com dois níveis de canteiros e espelho de água com bica. Os palmiteiros empregados, plantados com seis à oito metros de caule, dominam o espaço. No jardim da piscina foram empregadas várias espécies de palmeiras, bem como nas demais áreas do jardim.

Luciano Fiaschi Escritório Paisagismo
*Rua Ipeirog 910, Perdizes - São Paulo/SP.

Confira um dos mais recentes projetos do Paisagista Luciano Fiaschi




Compartilhar:


Anterior Próximo

Biblioteca gratuita sobre paisagismo.

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: Johnd415 - Data: 11/05/2014 08:27:25

Really appreciate you sharing this post.Thanks Again. Really Great. ecdeddbfdeaf



2 - Autor: Johnk850 - Data: 11/05/2014 08:27:19

This really is actually fascinating, That you are a quite specialist blogger. Ive joined your rss feed and sit up for looking for more of your excellent post. Also, I have shared your web site in my social networks! efdeedagbbde



3 - Autor: Biancka Barbozza - Data: 16/11/2011 08:17:04

Gostaria de agradeçer a vocês que fizeram esta entrevista pois me ajudou muito em meu trabalho de portugues !
Obrigado e parabèns pelo otimo trabalho



4 - Autor: Guilherme - Data: 21/09/2009

parceria
visite endereço útil
www.lazertec.com.br



5 - Autor: natasha - Data: 03/04/2009

adorei essa matéria,me ajudou muito em um trabalho escolar =)




Entrevista
Dicas Técnicas
Novidades
Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 1 No 3 / agosto de 2004

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Jardim de Pedra

Paisagista Osmar da Silva e Paulo Henrique Góes

Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*