O lado Paisagismo das Olimpíadas

Autor: Luiz Pedro de Melo Cesar - Data: 12/08/2016

CESAR, Luiz Pedro de Melo Cesar
Arquiteto, Doutor em Desenvolvimento Sustentável, Professor Adjunto da FAU/
Colaborador da EPB - Escola de Paisagismo de Brasília

O artigo "O lado Paisagismo das Olimpíadas: Caso do Parque Olímpico, Campo de Golfe, Parque Radical e Parque Madureira" abarca as estratégias e paradigmas adotados para algumas instalações esportivas construídas paras os Jogos Rio 2016 que evidenciam preocupações com a recuperação de áreas degradadas e reconstituição de ecossistemas nativos de mata atlântica.

Desde o início, a questão da sustentabilidade esteve relacionada ao processo de planejamento dos Jogos Rio 2016.

A estratégia de sustentabilidade abarca vários objetivos consolidando projetos e ações em várias áreas. Apesar da expectativa criada (e frustrada) em alguns casos, como o da Baía de Guanabara, vários progressos foram viabilizados. Entende-se que já há impactos positivos sociais e ambientais.

Talvez uma das atuações mais bem sucedidas tenha sido a implantação de um paisagismo mais ecológico priorizando espécies nativas e recuperando ecossistemas degradados, entendido como um legado tangível, que ficará na estrutura urbana da cidade do Rio de Janeiro, distribuídos nos bairros da Barra da Tijuca, Deodoro e Madureira.

Como exemplo emblemático da adoção de novos paradigmas paisagísticos, a recuperação da faixa marginal de proteção da Lagoa de Jacarepaguá (no trecho do Parque Olímpico da Barra) adotou o modelo proposto por Fernando Chacel no Parque Gleba E.

Os mesmos princípios foram adotados na área que se encontrava degradada e ocupada. A área tem cerca de 73.000 m² e o processo utiliza vegetação nativa de acordo com as fitofisionomias originais. Cerca de 30.000 m² foram reflorestados por espécies de manguezal, ficando o restante destinado à vegetação de restinga típica das áreas de transição entre o solo úmido e o mais seco

A recuperação é considerada a maior obra de restauração ambiental já empreendida junto às orlas das lagoas da Cidade. Sua complexidade engloba a reconformação da topografia e a compatibilização com os níveis de maré.

Com o ecossistema recuperado a área servirá de suporte ecológico para espécies da fauna local composta principalmente por mamíferos, répteis e avifauna que utilizam estes espaços para nidação, assim retomando a funcionalidade ecológica.


Fig. 1 - Ilustração do esquema deplantio na recuperação das margens do Parque Olímpico da Barra.

O Campo Olímpico na Barra da Tijuca é outro caso. Apesar das manifestações e de processos judiciais para impedir sua construção, o campo foi construído.

O campo está principalmente sobre uma área degradada de extração de areia, outra parte está dentro de uma unidade de conservação, razão pela qual gerou muita polêmica. No entanto, o projeto assumiu princípios paisagísticos voltados a recuperação ambiental dos ecossistemas de restinga e manutenção dos manguezais pré existentes (Fig. 2).

O projeto de paisagismo ecológico ganhou o prêmio Green Star Award 2016, um reconhecimento aos campos que se destacam em termos de proteção ambiental.


O prêmio foi devido "o campo ter sido construído seguindo rígidos parâmetros ambientais que contribuíram para o crescimento da biodiversidade na área.

" A obra aumentou em 167% a presença de vegetação nativa e mais do que dobrou a fauna local desde junho de 2013, atraindo corujas-buraqueiras, jacarés de papo amarelo, capivaras entre outras espécies de aves, mamíferos, répteis e anfíbios. Adicionalmente a fertilização do solo é orgânica, sendo proibida a utilização de produtos químicos."
Essa é a primeira vez que o prêmio anual vai para fora dos Estados Unidos.


Fig. 2 - Vista aérea do Campo Olímpico de Golfe da Barra.

A região de Deodoro consiste em outra Zona Olímpica com forte apelo ambiental, ao mesmo tempo que é vulnerável à expansão urbana e a especulação imobiliária, impedida até o momento pela área militar.

A área dos Jogos Rio 2016 possui 306,5 ha e comporá no futuro o Parque Radical voltado ao lazer da região. A estratégia de construção do parque foi voltada a mitigar os impactos ambientais das construções dos equipamentos que ficarão como estruturas de lazer para a população, já tendo sido utilizada no início do ano de 2016 (Fig. 3).

Adicionalmente o parque está sendo projetado com bosques de vegetação nativa dos ecossistemas locais. O Parque Radical de Deodoro será o segundo maior parque urbano da cidade, perdendo apenas para o Parque do Aterro do Flamengo.


Fig. 3 - Lago da Arena de Canoagem Slalom utilizada pela população durante o verão de 2016.

O Parque Madureira é outro exemplo de paisagismo vinculado aos Jogos. O parque foi criado para a celebração dos Jogos e já é uma opção de lazer para a zona norte da cidade.

O Parque possui 93.553,79 m² com cerca de 60 m de largura por 1.350 m de extensão, resultante da compactação de linhas de transmissão de energia (concessionária Light).

Atualmente já é o terceiro maior parque urbano da cidade e foi o primeiro parque público do Brasil a ter conteúdo e projeto certificados pelo selo AQUA de construção sustentável

(Fig. 4).
O paisagismo implementado segue parâmetros internacionais, assumindo a qualidade dos espaços e dos materiais utilizados como parãmetros a serem seguidos no futuro.

Espécies nativas e exóticas estão distribuídas por 6 zonas voltadas ao lazer ativo e passivo da população. Neste contexto, se destaca a área de interação com a água, local que assumiu o
papel de "praia da zona norte carioca."


Fig. 4 - Vista do Parque Madureira.

Finalizando, é possível concluir que por um lado o paisagismo foi assumido no planejamento dos Jogos como um elemento estruturante, inclusive com um comprometimento com questões ambientais e sociais. Por outro lado estabelece novo padrão a ser seguido pelas autoridades na construção e qualificação do espaço urbano.

Palavras-Chaves:
Arquiteto, Doutor em Desenvolvimento Sustentável, Professor Adjunto da FAU/
Colaborador da EPB - Escola de Paisagismo de Brasília


Compartilhar:


Anterior Próximo

Veja como aliar tecnologia ao ensino de paisagismo e irrigação

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: Mônica Rocha - Data: 04/09/2016 09:01:46

Exemplo a ser seguidos em outras cidades do Pais.




Entrevista
Uma conversa com o Arq.Paisagista e Professor José Tabacow
Uma conversa com o Arq.Paisagista e Professor José Tabacow

Arquiteto e paisagista formado na UFRJ, José Tabacow deu início a sua carreira como estagiário de Roberto Burle Marx

Ensino de paisagismo
O lado Paisagismo das Olimpíadas
O lado Paisagismo das Olimpíadas

Estratégias e paradigmas de algumas instalações esportivas construídas para os Jogos Rio 2016 com preocupações com a recuperação de áreas degradadas

Dicas Técnicas
Alterando a escala de pisos e forrações no PhotoLANDSCAPE 2016
Alterando a escala de pisos e forrações no PhotoLANDSCAPE 2016

Saiba como inserir pisos e forrações no PhotoLANDSCAPE 2016, e alterar sua escala conferindo muito mais realismo à sua fotomontagem de paisagismo

Inserindo divisores no AutoLANDSCAPE 2016
Inserindo divisores no AutoLANDSCAPE 2016

Veja como inserir divisores, cercas e muros em seus projetos de paisagismo com mais facilidade e com um grande banco de dados no AutoLANDSCAPE 2016.

HydroLANDSCAPE 2016 - Aprendendo a utilizar o software - Parte 2
HydroLANDSCAPE 2016 - Aprendendo a utilizar o software - Parte 2

Primeiros passos para uma boa utilização de todos os recursos de irrigação do HydroLANDSCAPE 2016

Ecologia
Os impactos das grandes cidades na saúde mental
Os impactos das grandes cidades na saúde mental

Um grupo de pesquisadores italianos, em Turim, analisaram a relação entre o ambiente urbano e o impacto na saúde mental dos habitantes.

Notícias
Conjunto Arquitetônico da Pampulha - Patrimônio da Humanidade
Conjunto Arquitetônico da Pampulha - Patrimônio da Humanidade

É um marco vivo, íntegro e autêntico da história da arquitetura mundial e da história brasileira e das Américas.

Better Future - Jardim de Equipe Brasileira premiado no Festival Internacional de Jardins de Allariz
Better Future - Jardim de Equipe Brasileira premiado no Festival Internacional de Jardins de Allariz

A Edição de 2016 premiou, entre outros, o Projeto Better Future, da planoseplantas.com.br

Cursos: Paisagismo,  AutoLANDSCAPE e PhotoLANDSCAPE em Holambra
Cursos: Paisagismo, AutoLANDSCAPE e PhotoLANDSCAPE em Holambra

Curso de Paisagismo Avançado e curso dos softwares AutoLANDSCAPE e PhotoLANDSCAPE no Centro Paisagístico Gustaaf Winters, Holambra

Jardins do Conhecimento - 12.ª Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima
Jardins do Conhecimento - 12.ª Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima

Entre os jardins, de vários países, está o do Brasil:Homenagem às Árvores Vanda Aranha, Fabio A. da Silveira, Leando Lattes e Florencia Grassi

Projeto Verdejando na Bienal Internacional da Paisagem em Barcelona
Projeto Verdejando na Bienal Internacional da Paisagem em Barcelona

Neste ambiente de alto nível, o Brasil estará presente com o Projeto Verdejando que vem mudando o ambiente da Cidade de São Paulo.

AuE Software na Jornada de Arquitetura e Urbanismo
AuE Software na Jornada de Arquitetura e Urbanismo

"Paisagismo Auxiliado por Computador" é tema de palestra concedida por Guilherme Motta, Arquiteto e diretor da empresa AuE Software.

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 13 No 146 / Julho de 2016

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*